Roteiro de viagem: 1 dia em Berlim e o que dá pra ver a pé!

Por Daniel Courtouke

Jornalista formado e jogador de futebol frustrado, Daniel Courtouke dá seus pitacos e dicas no Viagem 0800 sobre as viagens que fez. Como bom pão duro que é, procura sempre mostrar os atalhos mais econômicos das viagens que faz.

Por algum motivo qualquer você vai passar apenas um dia em Berlim na sua próxima viagem à Europa? Apesar de o tempo ser curto, existe uma série de pontos turísticos que estão próximos uns dos outros e vão facilitar a sua missão de se familiarizar com a capital alemã em 24 horas (ou menos). São eles:

  • Estação Central (Berlin Hbf);
  • Reichstag;
  • Portão de Brandemburgo;
  • Tiergarten;
  • Memorial dos Judeus;
  • Potsdamer Platz;
  • Checkpoint Charlie;
  • Berliner Dom;
  • Alexanderplatz;

Apesar de bem extensa geograficamente, muitas das atrações turísticas que não se pode perder em Berlim ficam relativamente próximas uma das outras, o que facilita a ingrata missão de ter que digerir um pouco dessa cidade cosmopolita tem pra oferecer em meras 24 horas e até arriscar fazer o roteiro somente a pé.

Para quem preferir, no entanto, vale a pena pensar em um roteiro de bicicleta por Berlim também.

A estação de trem que é mais bonita que muito ponto turístico mundo afora

fachada frontal da estacao central de berlim

Saindo do local que você está se hospedado, vá até a estação principal de trem da cidade, a Hauptbahnhof (algumas placas indicam como Berlin Hbf). Se você estiver chegando de outra cidade europeia, grandes chances de ser o seu ponto inicial de qualquer maneira.

É um bom ponto de partida para um roteiro de 1 dia na cidade, uma vez que a estação por si só já impressiona pela beleza arquitetônica (a parte externa do edifício é toda de vidro azul marinho).

Ali, também é possível comprar alguma besteira no supermercado ou comer algo na própria praça de alimentação. Para os fãs de futebol, existe uma loja do Hertha Berlin lá dentro, em que é possível comprar ingressos para os jogos do time, além dos tradicionais souvenires do clube.

Duas curiosidades sobre a estação central de Berlim:

  • Levou 11 anos para ser construída e foi finalizada em maio de 2006 (em tempo) para a Copa do Mundo da Alemanha
  • É a maior estação de trem da Europa

Para começar o passeio propriamente dito, deixe a estação pela saída do rio Spree (Südausgang). Logo na saída, você vai passar por uma ponte sobre o rio do nome acima, que aliás, abriga vários passeios de barco pela cidade e vale uma checada em uma próxima visita.

O histórico porém moderno Parlamento Alemão

vista reichstag, o parlamento alemao

Caminhando um pouco mais após atravessar a ponte, chega-se na Platz der Republik (Praça da República), que é um baita gramado verde que enche de gente em dias mais quentes. Lá está o Reichstag, prédio histórico do Parlamento Alemão que terminou de ser construído em 1894, pegou fogo em 1933 e ganhou uma cúpula semicircular de vidro nos anos 90. O edifício ganhou muita popularidade internacional quando os artistas Christo e Jeanne-Claude “empacotaram” o edifício. Para entender melhor, veja a foto abaixo:

chris grabert - Flickr - CC BY-NC-SA 2.0
Chris grabert – Flickr – CC BY-NC-SA 2.0

Veja mais sobre nossa experiência em Berlim na comemoração dos 25 anos da queda do muro!

Portão de Brandemburgo: o ponto turístico que é o cartão postal da cidade

portao de brandemburgo berlim alemanha noite

Do Reichstag ao Portão de Brandemburgo, é um pulo. O portão é, talvez, a primeira coisa que vem à cabeça quando a Alemanha entra na pauta de qualquer conversa sobre viagem.

Erguido em 1791, o portão teve a sua quadriga (aquela escultura verde com quatro cavalos em cima das pilastras) tomada por Napoleão quando a ainda Prússia perdeu uma batalha para os franceses.

Alguns anos depois, os hoje alemães recuperaram a escultura. O portão de Brandemburgo também é muito importante para os berlinenses porque ficava em uma das áreas de divisa entre Berlim oriental e ocidental.

Coluna da vitória: o monumento no coração do Tiergarten, o parque enorme

vista para a coluna da vitória em berlim

Atrás dele, aliás, fica nada mais nada menos do o Tiergarten, um dos maiores parques da Europa, que é dividido pela Rua 17 de Junho até a Siegessäule, a Coluna da Vitória. O parque rende ótimos piqueniques, dependendo da época do ano, é claro.

Ao lado do portão fica a embaixada americana, que não é nenhum ponto turístico, é claro, mas serve como ponto de referência para chegar ao seu próximo destino, o Memorial aos Judeus Mortos da Europa.

O Memorial para ser visitado ao ar livre e embaixo da terra

memorial judeus mortos europa no centro de berlim

Uma área de 19 mil m2 foi preenchida com mais de 2 mil blocos de concreto que diferem em seu tamanho mas mantém um certo padrão de forma e distância: possuem forma de retângulo. O objetivo da obra é causar um certo desconforto nas pessoas que caminham por entre as pedras. Para os mais interessados, há um museu embaixo do memorial que vale muito a pena.

espaco entre os blocos de concreto do memorial em homenagem aos judeus mortos na europa

Potsdamer Platz, a casa do moderno Sony Center

Cobertura do Sony Center, na Potsdamer Platz. Foto: Viagem 0800
Cobertura do Sony Center, na Potsdamer Platz.

Saindo do memorial, é bem fácil chegar na Potsdamer Platz, que abriga hoje em dia um dos lugares mais modernos da cidade: o Sony Center, que é composto de uma série de edifícios que se fecham em um círculo que é coberto por um toldo luminoso que fica bem bonito à noite.

Lá dentro há o Museu da Televisão – em que você pode ver uma estatueta do Oscar -, vários restaurantes e também um cinema que apresenta vários filmes em voz original; ou seja: se você manja bem o inglês, dá até para curtir uma sessão se quiser.

Checkpoint Charlie, a fronteira invisível

vista cabine checkpoint charlie, na friedrichstrasse em berlim

O Checkpoint Charlie é a sua próxima parada. Localizado na Friedrichstrasse, o lugar é um antigo ponto de passagem entre os muros: sim, algumas pessoas conseguiam permissões especiais para cruzar para o outro lado da fronteira e lá existe uma guarita com homens vestidos de guarda dispostos a tirar fotos com os turistas por alguns poucos euros.

Do Checkpoint Charlie até a próxima parada é uma boa pernada, mas para os que ainda tiverem fôlego, a caminhada é bem bonita.

Berliner Dom, a catedral da cidade

grupo posa para selfie em frente a igreja berliner domberliner dom
Nossa foto em família em frente à Berliner Dom

Dá para seguir pela Friedrichstrasse até a Unter den Linden (sentido Brandenburger Tor) e caminhar direto até a Berliner Dom e a Alexanderplatz.

A Berliner Dom é a Catedral de Berlim, uma construção imponente à beira do rio Spree em um lugar não menos imponente.

Grudado por ali há a Ilha dos Museus (uma série de museus que valem muito a pena caso você tenha mais tempo na cidade), além da universidade Humboldt,que abrigou nada mais nada menos do que Albert Einstein e Marx & Engels.

Alexanderplatz e a torre da TV, o centro do lado vermelho

Torre da TV ao fundo, com Portão de Brandemburgo (e o muro) em primeiro plano, em imagem registrada pré-queda do muro. Foto: Arquivo Nacional Alemão – CC BY-SA 3.0 DE

Mais à frente, chega-se à Alexanderplatz – que era a praça central de Berlim oriental. Lá, duas construções chamam a atenção, a Fernsehturm e a Rotes Rathaus.

A primeira é a torre de televisão da cidade, que possui 368 metros de altura, se contarmos a antena.

E para chegar lá em cima? Tem elevador, é claro. E fila também, mas a vista recompensa (se o dia estiver claro).

Já a Rotes Rathaus é o local que abriga a antiga prefeitura de Berlim oriental e a atual prefeitura da cidade unificada. O nome do edifício remete à sua cor: vermelho. O prédio, como quase tudo na Alemanha, foi muito danificado durante a 2ª Guerra Mundial e teve que sofrer reparos para voltar a ser ocupado em 1956.

E aí, tem coragem para encarar esse roteiro?

Você Também Pode Se Interessar Por:

9 Comentários
  1. Avatar

    Berlim é interessante no inverno tambem?

    Responder
    • Daniel Courtouke

      Sempre, João! É muito fria, mas tem coisas que ficam mais bonitas no inverno. Lá, vimos lagos congelados e até patinamos em um.

      Responder
  2. Avatar

    Vou pra Europa agora em outubro e estava ficando em dúvida sobre Berlim pois muita gente fala que é uma cidade meio cinzenta e sem vida. Mas vou arriscar mesmo assim. Gostei das dicas 🙂

    Responder
  3. Avatar

    Em 5 idas para Europa, conheci, Roma, Londres, Paris, Barcelona, Madrid, Zurich, Berna e Amsterdam, mas Berlim é, por algum motivo, a minha grande paixão. Inclusive é a única cidade que estive em todas as 5 vezes. Muitos dizem que Berlim é cinzenta e fria, e por este motivo quase deixei de conhecer esta cidade maravilhosa!

    Responder
    • Daniel Courtouke

      Berlim é mesmo fantástica, né, Pedro?! Quem diz que é cinzenta não esteve por lá no verão 😛

      Responder
  4. Avatar

    Minha filha mora em Berlim!
    Realmente é uma bela cidade adoro!
    O cuidado com o povo /com as pessoas é de dar inveja a esta brasileira paulista !!!!

    Responder
  5. Avatar

    Em setembro estive em Berlim e posso dizer que foi uma das mais belas viagens que fiz!!! Berlim é fantástica, tenho um povo educado e a história nos atrai!! Volto sempre que puder!! Esse roteiro me remeteu de forma emocionante!!!

    Responder
    • Daniel Courtouke

      Berlim é fantástica mesmo, Sonia! Sou um pouco parcial demais porque morei lá, mas é uma das melhores cidades em que já estive como turista também!

      Responder
Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.