Conheça o safári de cerveja que atrai turistas na Alemanha

Por Daniel Courtouke

Jornalista formado e jogador de futebol frustrado, Daniel Courtouke dá seus pitacos e dicas no Viagem 0800 sobre as viagens que fez. Como bom pão duro que é, procura sempre mostrar os atalhos mais econômicos das viagens que faz.

Antes do 7 a 1, era só mencionar a palavra Alemanha que algum brasileiro já associava o país com cerveja. A quantidade de cervejarias é tanta que quase nem cabe no mapa do país. Olha só:

mapa-cerveja-alemanha

Fonte: Stern.de

Simplesmente não é possível tomar todos os tipos de cerveja em uma vida só. Isso porque, de acordo com o site Biermap24, existem 1.020 cervejarias na Alemanha que produzem 8 mil cervejas diferentes. Se você só toma cerveja sem álcool, não se preocupe, são mais de 250 rótulos para encontrar o sabor ideal.

Sabendo disso, não é surpresa alguma ver que diversas marcas promovem seus próprios passeios turísticos por suas instalações e cervejarias. Além disso, cada região tem suas preferências em termos de cerveja e, por vezes, a rivalidade entre cidades próximas é levada tão a sério a ponto de não existir uma marca da cidade vizinha em um bar da outra.

O tour pelas cervejarias de Altbier de #düsseldorf deu o que falar e o que beber em plena quarta-feira… 😀

A photo posted by Daniel Courtouke (@danielcourtouke) on

Em Colônia, por exemplo, a Kölsch é o tipo de cerveja que reina. Em Dusseldorf, a preferência fica por conta da Altbier. A primeira é bem mais leve, precisa ser bebida bem gelada e geralmente vem em copos finos (o que faz você beber uns 5 numa sentada só). Já a Altbier é uma cerveja mais encorpada e amarga, que tem uma cor de bronze, como você pode ver na foto acima.

Entre as cervejas antigas, ou Alt, existem muitas diferenças. A principal delas é no amargor, que varia bastante por conta das unidades contidas na composição de cada marca. A cerveja Uerige, por exemplo, contém 55 unidades de lúpulo em sua composição e é a mais amarga da Alemanha.

altbier-schumacher

As Altbier são cervejas de alta fermentação, que era como se fazia cerveja no passado, daí a origem do nome Alt (antigo). Como não são pasteurizadas, as cervejas deste tipo expiram do prazo de validade com muita facilidade – elas duram até seis semanas, tornando a exportação algo difícil.

Por outro lado, isso acaba tornando esse tipo de cerveja ainda mais especial, atraindo ainda mais o interesse de quem passa pela região pela primeira vez.

Uma ideia legal que uma empresa de Dusseldorf implementou foi promover um sáfari de cerveja por cinco cervejarias do centro da cidade antiga, o Altbier Safari.

altbier-safari

Como funciona?

O passeio funciona em parceria com o escritório de turismo da cidade. Portanto, é possível comprar os ingressos nos pontos de informações turísticas, online (ali tem o preço também) ou até mesmo com a pessoa que vai guiar o passeio – só que nesse caso depende de disponibilidade e de você saber onde é o ponto de encontro.

O que está incluso?

Visita guiada por 5 cervejarias com uma cerveja para degustar em cada parada.

Por onde passa?

Todas as cinco cervejarias ficam na Cidade Antiga de Dusseldorf (Altstadt) e o passeio é feito a pé. Mas as distâncias são bem curtas entre uma parada e outra. Saiba um pouquinho mais sobre cada uma das cervejarias:

Kurzer

O barril que conecta a fábrica ao bar

O barril que conecta a fábrica ao bar

Das cervejarias visitadas, a Kurzer talvez seja a mais popular entre os jovens e possui um ambiente bem descontraído lá dentro, com mesas de pebolim quase em frente ao local em que ficam os barris. Aliás, o bar em que a Kurzer funciona tem uma conexão direta entre os barris de cerveja da fábrica e a torneira do bar. Isso significa que ali nunca vai faltar cerveja e a bebida é a mais fresca possível.

Füchschen

Happy Hour na Füchsen :D

Happy Hour na Füchschen 😀

Na Füchschen, quem servia as bebidas antigamente não eram garçons, mas sim os Köbes, que eram jovens que geralmente eram aprendizes de mestre cervejeiro e acabavam por fazer de tudo por lá. Na verdade, existem algumas teorias que envolvem o nome Köbes.

Uma delas é que eles são mestres e tem orgulho em servir cervejas. Portanto, quem pedisse água ou vinho, por exemplo, não seria atendido com um sorriso no rosto. Enfim, a lenda é levada pra frente e os garçons (ou Köbes) servem o que você pedir, mas ainda usam um traje azul, como era tradicional de tempos antigos.

Schumacher

schumacher

A Schumacher tem uma curiosidade bem legal, é a cervejaria mais antiga da cidade – fundada em 1838 – e sempre foi gerenciada por uma mulher depois dos anos 60. A tradição não falha. Hoje, a manda-chuva por lá chama-se Gertrud Schnitzler-Ungermann.

O bar visitado durante o passeio é o Im Goldenen Kessel, que leva um nome diferente do da marca em si por ter sido a segunda aquisição da família.

Zum Schlüssel

As inscricoes no prédio da Schlüssel dizem: Coma o que é saboroso, beba o que é claro e diga o que é verdade

As inscrições no prédio da Schlüssel dizem: Coma o que é saboroso, beba o que é claro e diga o que é verdade

O Schlüssel fica no coração da Cidade Antiga, bem na Bölkerstrasse – também conhecida como o bar mais longo do mundo. Há 300 anos, quando as ruas ainda eram de barro mas o lugar já era boêmio, a cidade sofria com um lamaceiro em dias de chuva. Ninguém teve a ideia genial de colocar pedras na rua e decidiram que, para resolver o problema, a melhor solução seria abrir portas entre os bares para evitar que as pessoas precisassem sair pra rua na hora de trocar de bar.

Hoje, por razões de segurança, todas as portas foram fechadas, mas em alguns lugares ainda é possível ver os locais de passagem.

Uerige

uerige

O Uerige é conhecido por servir apenas cerveja e água. Na realidade, a lei alemã obriga a venda de pelo menos água onde se vende bebida alcoólica. No local, o forte é mesmo cerveja. Lá, a venda de doses de destilados é quase um crime, pois as pessoas ficam bêbadas logo e compram menos cerveja. Até que faz sentido! 🙂

Pra quem quiser saber como fazer a rota completa, aqui vai o mapa com o trajeto entre as cinco cervejarias. É tudo muito perto, são apenas 14 minutos de caminhada e pouco mais de 1 km. Também marcamos em vermelho a estacão de metrô Heinrich-Heine, que conecta boa parte da cidade.

mapa altstadt

Prost!

Você Também Pode Se Interessar Por:

6 Comentários
  1. Avatar

    ótimo artigo! Vou em maio e nao iria passar por Düsseldorf e iria de colonia direto pra hamburgo. Mudei de opiniao depois de passar por aqui! 🙂

    Responder
  2. Avatar

    Um famoso Pub Crawl só que na Alemanha, já tem lugares por aqui no Brasil onde rolar fazer isso.

    Alias alguns detalhes, tem que diferenciar tipos de cerveja por estilo de cerveja, pois estilos da pra tomar todos numa vida, agora tipo é só uma cerveja de uma marca x e que outra marca y faz igual, não é tão interessante tentar beber todas iguais, é mais interessante variar.

    A unidade de amargor se chama IBU (International Bitter Unit) e não unidade de lúpulo e pode apostar que 55 não é nem de longe a mais amarga da Alemanha.

    Por fim, as cervejas servidas como chope de fato não são pasteurizadas mas as em garrafa costumam ter um pasteurização rápida para durarem de 6 meses a 1 ano e sim, elas são exportadas.

    No demais bom artigo.

    Responder
    • Daniel Courtouke

      Oi, Lucas! Valeu pelo comentário! Até que lembra um Pub Crawl mesmo (exceto pela faixa etária do passeio 😛 ), mas possui várias explicações a cada parada, dá realmente para aprender um pouco sobre cerveja no passeio, especialmente para quem gosta do assunto.

      Obrigado por esclarecer o termo IBU,vamos corrigir no artigo.
      No caso das Altbier de Düsseldorf, não ocorre exportação mesmo. Quem visita a cidade pode, sim, levar algumas unidades para o Brasil, mas as cervejarias não exportam nada mesmo porque o prazo de validade é muito curto. O site Bierspot (http://www.bierspot.de/bier/bittereinheiten-international-bitterness-units-ibu.html) tem um ranking de amargor das mais famosas cervejas alemãs, muito bom para saber os diferentes níveis de IBU que uma cerveja pode ter. Abs

      Responder
  3. Avatar

    Obrigado pelo artigo, fez parte da rota por dusseldorf.

    Responder
Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.