Conheça um dos alpes suíços com a segunda maior cachoeira do país

Por Daniel Courtouke

Jornalista formado e jogador de futebol frustrado, Daniel Courtouke dá seus pitacos e dicas no Viagem 0800 sobre as viagens que fez. Como bom pão duro que é, procura sempre mostrar os atalhos mais econômicos das viagens que faz.

Na virada do inverno para a primavera, a Tati e eu resolvemos que o destino da nossa viagem de babymoon (o termo da moda para uma espécie de lua de mel antes da filha nascer) seria a Suíça e que iríamos conhecer os alpes suíços – ou pelo menos alguma parte dele – para ter uma experiência dessas pela primeira vez.

Em uma viagem curtinha (5 noites e 6 dias), saímos de trem da Alemanha para a Suíça e paramos na cidade de Basileia, já do lado da fronteira em que tudo se paga em franco e tende a ser exageradamente mais caro que no bom e velho euro do lado alemão.

A ideia era fazer Basileia, Berna e subir o morro para chegar em Adelboden, o destino do nosso hotel. Lá, nós ficamos no The Cambrian, um hotel com uma piscina famosona nos instagrams da vida.

Adelboden é uma micro cidade nos alpes suíços que fica bem cheia em duas épocas: no alto do inverno, quando os esportistas e entusiastas do esqui e snowboard lotam os teleféricos e pistas; e no verão, quando a paisagem muda de cara e o verde ao redor é o pano de fundo para diversas trilhas e caminhadas.

Fizemos dali o nosso quartel general para diversos passeios, que incluiriam subir em duas montanhas dos alpes e conhecer o Blausee, um lago de água cristalina que a Tati tanto sonhava em conhecer.

E um desses passeios foi inesquecível: a subida no Engstligenalp e a trilha que fizemos do pé da montanha até chegar na segunda maior cachoeira do país, que além de congelada por causa da época, nos proporcionou um show exclusivo que conto no decorrer desse texto.

O que é o Engstligenalp?

pico do engstligenalp em adelboden, na suica

É uma das montanhas mais altas na região de Adelboden (1964 metros de altitude e quase 700 metros acima de onde sai o teleférico) com uma estação de esqui enorme, um restaurante dentro de um igloo que serve fondue de queijo e com uma cachoeira (ao pé da montanha) que é a segunda maior do país com seus 600 metros e outra cachoeira vizinha mais humilde, mas igualmente bonita.

Como foi a nossa experiência por lá

snowboarder caminha nos alpes suicos

Nós chegamos até o pé da montanha de ônibus de linha mesmo e logo fomos para a fila do teleférico. Conseguimos um desconto por conta de duas coisas: tínhamos um guest card do hotel (quem se hospeda na região geralmente tem alguns descontos e até atividades gratuitas ao receber um cartão do hotel) e também iríamos comer no restaurante igloo lá no topo.

Esperamos menos de cinco minutos e embarcamos no teleférico para uma subida que parecia ter a estratosfera como destino.

Basicamente, algum milagre da física aplicado à engenharia de teleféricos permitia que a corda ficasse suspensa por muitos (mas muitos mesmo) metros até que a primeira torre de suspensão aparecesse pra dar suporte. O cabo de aço (quando falei corda, aqui em cima, foi no calor de momento, tá? Não se preocupe, é um cabo de aço) chegava a até fazer uma barriga, mas a subida foi uma das mais suaves que já tive (falo do alto das minhas 5 andadas de teleférico na vida, mas ok né).

Chegando lá em cima, parecia que estávamos lá embaixo. Digo isso porque a área plana no topo da montanha era tão grande que por um momento você perde a noção de que está no topo de uma montanha.

Era branco pra todo lado e ao fundo ainda havia mais montanha pra cima, onde os esquiadores e snowboarders de plantão iniciavam suas descidas.

No topo do Engstligenalp ainda tem um quiosque em formato de igloo transparente que vende água, cerveja e etc, uma área para crianças brincarem, um hotel e restaurante igloo além de um igloo com mesas e brinquedos para crianças.

vista do restaurante iglu no alto do engstligenalp, em adelbden, na suica

Como mencionei antes, nós entramos e comemos em um igloo pela primeira vez. A gente conta mais dessa experiência em um outro post, mas foi muito legal conhecer uma construção de gelo.

A trilha para ver a cachoeira

trilha para chegar perto da cachoeira do engstligenalp, na suica

Depois do almoço e de mais uma voltinha por lá, encaramos o teleférico da volta lotado (cabem 35 pessoas) e iniciamos a trilha até a cachoeira.

Éramos só nós dois em uma trilha de neve e pinheiros seguindo os losangos amarelos que indicam a existência de uma cachoeira.

Tatiana Olegario no meio do caminho para a cachoeira do engstligenalp

Depois de uns 10 minutos de caminhada, escutamos um barulho meio longe como se fossem pedras caindo.

Aí a gente olha pro alto e vemos que da cachoeira congelada está saindo uma mini avalanche. Foram uns cinco segundos em que as quedas d‘água (ou de neve, neste caso) ficaram cuspindo mais neve pra baixo.

Foi o ponto alto do dia. Nunca tinha imaginado ver uma coisa dessas na vida e as probabilidades de alguém presenciar tal fato enquanto visita o lugar devem ser baixíssimas.

Passado o momento de êxtase (ou susto), continuamos seguindo a trilha até chegar ao pé da cachoeira, que estava semi-congelada, mas com um fiapo de água caindo.

cachoeira do engstligenalp na suica

No alto do inverno, aliás, montanhistas escalam a cachoeira em si, usando as quedas como se fossem rochas.

Bacana? Sim.

Aventura? Também.

Eu me arriscaria? Nem que a vaca tussa.

Ao todo, a trilha deve levar em torno de 40 minutos ida e volta, mas com algumas partes com neve mais funda e outras com a neve bem rala (o que deixava o terreno escorregadio), fizemos em pouco menos de uma hora.

Como chegar no Engstligenalp

Pra quem está se hospedando em Adelboden, é só pegar o ônibus 232 (direção Adelboden, Unter dem Birgen) e, em menos de 20 minutos, você está lá.

Para quem vem de outras cidades, é preciso chegar na estação de trem e ônibus de Frutigen e pegar o ônibus 230 até Adelboden Oey e depois trocar pelo 232.

Quem estiver de carro leva mais ou menos uma horinha desde Berna ou duas horas se sair da Basileia.

Quanto custa para subir na montanha?

Os preços variam. Se você for comer no igloo, paga menos. Se você estiver hospedado na região, também. Se tiver adquirido um Swiss Travel Pass, paga a metade.

Sem nenhuma dessas condições acima, adultos pagam 32 francos suíços ida e volta. As tarifas variam de acordo com a temporada, portanto fique ligado nos preços mais atualizados no site deles (somente em alemão, infelizmente).

Quando ir ao Engstligenalp?

São duas experiências completamente diferentes, mas também é possível ir ao Engstligenalp no verão, quando não há esqui e muito menos neve. Apesar de nossa ida ter ocorrido no inverno, já estivemos no tirol austríaco no verão e foi uma viagem sensacional.

Vale ficar atento, porém, para o período em que o teleférico fica fechado de vez. Como isso varia ano a ano de acordo com a intensidade do inverno, é bom dar aquele google para garantir que o lugar estará aberto. Esse ano, por exemplo, o Engstligenalp “fecha” por mais ou menos um mês entre maio e junho.

E aí, você já esteve numa montanha cheia de neve? Já esquiou? Conta pra gente nos comentários!

Como é esquiar na maior pista coberta do mundo?

Você Também Pode Se Interessar Por:

2 Comentários
  1. Avatar

    Lindo texto e fotos mais lindas ainda. Ficamos encantadas.

    Responder
    • Daniel Courtouke

      Que bom que gostaram, mãe! Quem sabe voltamos quando vocês estiverem de visita!

      Responder
Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.